Oficina CUFA – Ficção, Documentário, Videoclipe e Publicidade

A ideia de hoje seria discutir roteiro, mas preferimos substituir o papo pela visão dessas quatro vertentes que serão experimentadas nos projetos finais da turma. Ficção, Documentário, Videoclipe e Publicidade. Os quatro grupos apresentaram seus projetos e em cada situação discutimos o que o gênero “x” difere do “y”. Qual a diferença entre documentário e ficção? Um documentário pode ser utilizado como uma peça de publicidade? Como definimos se um vídeo é clipe ou não?

A partir dessas questões, os grupos evoluíram suas propostas em busca de um melhor resultado. As aulas que antecederam a de hoje foram ministradas pela Ivana Bentes, MV Bill e Anderson Quack. Apresentamos minha trajetória no cinema que começou nesta mesma sala de aula da CUFA, em 2002, quando utilizamos a câmera do MV Bill, uma PD-150, para realizarmos o videoclipe “Ataque Verbal”. Ivana foi nossa professora na ocasião e Quack o diretor. Interessante como o mundo dá voltas e a rede social do cinema carioca se fortalece a cada ano.

Assistimos o documentário “1 Ano e 1 Dia” e discutimos sua construção, no que diz respeito ao roteiro. O filme foi realizado em um dia de gravação e oito meses de edição. Não possuía nenhum roteiro, salvo por algumas poucas orientações formuladas em ocasião da pesquisa. Tudo foi construído na ilha de edição. Depois falamos de outros documentários que tiveram roteiro prévio e sobre a diferença desses dois tipos de produção.

Assistimos um trecho do filme “5X Favela, Agora Por Nós Mesmos”. Discutimos as diferenças entre documentário e ficção, já que o filme recebeu várias críticas que versavam sobre uma visão realista da favela e chegou a ser confundido com documentário em um festival de cinema (antes de sua projeção, é claro). Esse momento também serviu para uma reflexão sobre peças de publicidade e cinema.

Para finalizar assistimos o videoclipe “Ataque Verbal” e falamos sobre clipes onde os artistas não aparecem cantando ou mesmo onde as imagens são completamente diferentes do que está sendo dito nas letras. Que existem clipes que exercem a função de divulgar uma música de trabalho e outros que parecem filmes de ficção. Qual seria o limite? Além do universo do videoclipe outras peças fogem do arroz com feijão do início, meio e fim.

Acreditamos que a manhã tenha sido produtiva e que a decisão em substituir o tema roteiro por uma coisa mais abrangente tenha sido acertada. Desta maneira todos podemos entender melhor o momento que a turma de audiovisual vivencia e como passaremos deste ao momento da produção, que venha a projeção, até o mais esperado de todos: o mercado.

Anúncios

Sobre Cacau Amaral

Cineasta brasileiro. Direção em 5X Favela; 1 Ano e 1 Dia; Cineclube Mate com Angu; Sociedade Musical Lira de Ouro; Programa Espelho e Aglomerado. https://cacauamaral.com/
Esse post foi publicado em Oficina de cinema. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Oficina CUFA – Ficção, Documentário, Videoclipe e Publicidade

  1. Marco Aurélio Da Costa Sant'Anna disse:

    A produção de Audiovisual independente vem ganhando nos últimos anos um fôlego sem precedentes na história mundial . Quando os executivos das indústrias de Máquinas fotográficas, filmadoras e telefones celulares viram o quanto ‘’UM SIMPLES VÍDEO’’ fatura nas redes sociais , perceberam o potencial que as pessoas representam para seus negócios: sim, as pessoas gostam de produzir vídeos e estão dispostos a pagar para vê-los. Essa percepção levou a um boom de produções independentes .
    Mas e no Brasil? Será que existe mercado para o audiovisual independente ? A verdade é que sim, pois agora uma geração de gente ousada está despontando, decidida a apostar nessa vertente. Estaremos nós vivendo a gênese do cinema independente Nacional ?
    Diante desse território vasto, surgem desbravadores, uma turma de cineastas que com a cara, a coragem e muita boa vontade está disposta a inventar o cinema independente brasileiro.
    Vários festivais foram criados visando as produções independentes, Claro Curtas, Festival do Minuto, Festival Cel.u.Cine, e muitos outros festivais e mostras competitivas, geraram uma oportunidade ímpar para os cineastas e produtores independentes ,divulgarem suas obras.
    Sobre o fato de estarem pisando num terreno antes dominado pelas grandes produtoras, os cineastas independentes revelam entender que são muitas as dificuldades, mas acreditam que é possível vencê-las
    ‘’O Cinema Nacional até bem pouco tempo atrás era super descriminado e tinha um público restrito. Hoje, é extremamente profissional, comercial e tem um público fiel. Queremos fazer o mesmo com o cinema de guerrilha’’,
    Hoje a aula foi super proveitosa e pude agregar valores positivos a minha carreira de aspirante a cineasta , Cacau Amaral relatou sua trajetória no cinema e mostrou que é possível produzir bons filmes com orçamento quase zero .
    Marco Aurélio Da Costa Sant’Anna ,Produtor Independente Aluno do Curso de Audiovisual da CUFA.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s